domingo, 18 de outubro de 2015

HAYEK

Fiquei um longo tempo pensando se a tese que defendi em http://www.amazon.com/Metodologia Econômica dos Homens e Bens Indistintos - MEHBI teria ou não teria um "par teórico" de peso. Pensava que a desconstrução do cientificismo marginalista, não era somente algo hercúleo mas totalmente esquizofrênico: desconstruir uma teoria, sustentada pela simultaneidade de equações abstratas, para sustentar que, os resultados das equações reais - da Economia - não preveniam a teoria. Ora, precisar-se-ia imputar dados às séries históricas regressivamente, para demonstrar que a "matemática pura", aplicada à Economia, com intuito em 'fazer ciência', teoria econômica, sustentada por equações simultâneas, não preveniam o equilíbrio econômico. E isto era totalmente esquizofrênico: construir séries históricas para desconstruir a teoria geral do equilíbrio e demonstrar que, segundo os dados das séries históricas - que a teoria geral do equilíbrio não utilizou - o equilíbrio não era geral... Mas fui à luta, sobretudo com auxílio em Granger (1962), Habermas, Hugon e, aprofundei a pesquisa básica com a publicação de   http://www.amazon.com/Fundamentos de Equilíbrio Econômico Não-Cooperativo .  Patira, inicialmente de uma frase de HAYEK lapidar: "a curva de produção é um conceito amplo e possui um limite externo". Abaixo trago à cola sua palestra proferida por ocasião da premiação Nobel.

Friedrich A. Hayek

"Biografias Cálculo e Conhecimento Histórico da Escola Austríaca de Economia"

A ocasião especial desta palestra, combinado com o principal problema prático que os economistas têm de enfrentar hoje, ter feito a escolha de seu tema quase inevitável. Por um lado, o ainda recente criação do Prêmio Nobel de Ciência Econômica representa um passo significativo no processo pelo qual, na opinião do público em geral, a economia foi concedida alguma da dignidade e prestígio das ciências físicas. Por outro lado, os economistas estão neste momento chamados a dizer como para livrar o mundo livre da séria ameaça de inflação acelerando que, deve-se admitir, foi provocada por políticas que a maioria dos economistas recomendadas e até mesmo instado os governos a prosseguir. Temos, de fato, no momento não são motivo de orgulho: como uma profissão que fizemos uma confusão de coisas.

Parece-me que este fracasso dos economistas para orientar a política mais sucesso está intimamente ligado com a sua propensão a imitar, tanto quanto possível os procedimentos das ciências físicas brilhantemente bem sucedidos - uma tentativa que em nosso campo pode levar a erro a título definitivo. É uma abordagem que tem vindo a ser descrito como a atitude "cientificista" - uma atitude que, como o definiu cerca de trinta anos atrás ", é decididamente não-científico, no verdadeiro sentido da palavra, uma vez que envolve uma aplicação mecânica e acrítica de hábitos de pensamento a campos diferentes daqueles em que foram formados. "1 Eu quero hoje para começar explicando como alguns dos mais graves erros da política econômica recente são uma consequência directa deste erro cientificista.


A teoria que vem norteando a política monetária e financeira durante os últimos trinta anos, e que para mim é em grande parte o produto de uma concepção tão equivocada do procedimento científico adequado, consiste na afirmação de que existe uma correlação positiva simples entre o emprego total e o tamanho da demanda agregada de bens e serviços; que leva à crença de que podemos assegurar permanentemente o pleno emprego através da manutenção de despesas totais dinheiro a um nível adequado. Entre as várias teorias avançadas para explicar extensa desemprego, este é provavelmente o único em apoio do qual uma forte evidência quantitativa pode ser feita. Eu, no entanto, consideram que se trata fundamentalmente falsa, e agir de acordo com ele, já que agora a experiência, como muito prejudicial.

Isto leva-me à questão crucial. Ao contrário da posição que existe nas ciências físicas, em economia e outras disciplinas que lidam com fenômenos essencialmente complexo, os aspectos dos eventos a serem responsáveis ​​por cerca de que podemos obter dados quantitativos são necessariamente limitados e podem não incluir os mais importantes. Enquanto nas ciências físicas é geralmente assumido, provavelmente com razão, que qualquer fator importante que determina os eventos observados vai ser ele próprio diretamente observável e mensurável, no estudo de tais fenômenos complexos como o mercado, que dependem as ações de muitos indivíduos, todas as circunstâncias que determinam o resultado de um processo, por razões que explicarei mais adiante, quase nunca vai ser completamente conhecida ou mensurável. E enquanto nas ciências físicas o investigador será capaz de medir o que, com base em uma teoria prima facie, ele acha importante, nas ciências sociais frequentemente que seja tratado como importante, que passa a ser acessível a medição. Isso às vezes é levado para o ponto onde é exigido que nossas teorias devem ser formuladas em termos tais que se referem apenas à magnitudes mensuráveis.

Dificilmente se pode negar que tal exigência limita bastante arbitrariamente os fatos que devem ser admitidos como possíveis causas dos eventos que ocorrem no mundo real. Este ponto de vista, que é muitas vezes bastante ingenuamente aceites como exigido pelo procedimento científico, tem algumas consequências bastante paradoxais. Sabemos, é claro, no que diz respeito ao mercado e as estruturas sociais semelhantes, um grande número de fatos que não podemos medir e sobre o que de fato temos apenas algumas informações muito imprecisa e geral. E porque os efeitos desses fatos em qualquer instância em particular não pode ser confirmado por evidências quantitativas, eles são simplesmente ignoradas por aqueles jurado apenas o que eles consideram como evidência científica que admitir: eles por isso prosseguir alegremente sobre a ficção de que os fatores que podem medir são os únicos que são relevantes.

A correlação entre a demanda agregada e emprego total, por exemplo, só pode ser aproximado, mas como ele é o único sobre o qual temos dados quantitativos, aceita-se como a única conexão causal que conta. Nesta norma não pode, assim, existir bem melhor evidência "científica" para uma teoria falsa, que serão aceitos, porque é mais "científico", do que para uma explicação válida, que é rejeitada porque não há nenhuma evidência quantitativa suficiente para isso.

Como uma profissão, os economistas têm feito uma confusão de coisas.
Deixe-me ilustrar isto com um breve esboço do que eu considero como a causa real chefe da extensa desemprego - uma conta que também irá explicar por que tais desemprego não pode ser curada de forma duradoura pelas políticas inflacionárias recomendados pela teoria agora na moda. Esta explicação correta parece-me ser a existência de discrepâncias entre a distribuição da demanda entre os diferentes produtos e serviços e a alocação de trabalho e outros recursos entre a produção dessas saídas. Nós possuímos um conhecimento razoavelmente bom "qualitativa" das forças pelo qual uma correspondência entre a procura e a oferta nos diferentes sectores do sistema econômico é provocada, das condições em que serão realizados e dos factores susceptíveis de impedir tal um ajuste. As etapas separadas na conta deste processo dependem de fatos da experiência cotidiana, e poucos os que se dão ao trabalho de seguir o argumento vai questionar a validade dos pressupostos factuais, ou a correção lógica das conclusões tiradas a partir deles. Temos realmente boas razões para acreditar que o desemprego indica que a estrutura dos preços relativos e salários foi distorcida (geralmente por fixação de preços de monopólio ou governamental), e que, para restabelecer a igualdade entre a procura e a oferta de trabalho em todos os setores mudanças de relação preços e algumas transferências de trabalho será necessário.

Mas quando somos convidados para a evidência quantitativa para a estrutura especial de preços e salários que seriam necessários para assegurar uma venda suave e contínua dos produtos e serviços oferecidos, temos de admitir que nós não temos tal informação. Sabemos, por outras palavras, as condições gerais em que o que nós chamamos, um pouco enganadora, um equilíbrio vai estabelecer-se; mas nunca sabemos o que os preços ou os salários são particulares que existiria se o mercado fosse para trazer tal equilíbrio. Nós apenas podemos dizer quais são as condições em que podemos esperar que o mercado para estabelecer preços e salários em que a demanda vai fornecimento igual. Mas nunca podemos produzir informação estatística que mostre o quanto os preços praticados e os salários desviar aqueles que garantiria uma venda contínua da atual oferta de mão de obra. Embora esta consideração as causas do desemprego é uma teoria empírica - no sentido de que ele pode ser provada falsa, por exemplo, se, com a oferta de moeda constante, um aumento geral dos salários não levar ao desemprego - que certamente não é o tipo da teoria que poderíamos usar para obter previsões numéricas específicas relativas às taxas de salários, ou a distribuição do trabalho, que se espera.

Por que devemos, no entanto, em economia, tem que alegar ignorância do tipo de factos em que, no caso de uma teoria física, cientista certamente seria esperado para dar informações precisas? Ele provavelmente não é surpreendente que aqueles impressionado com o exemplo das ciências físicas deve encontrar esta posição muito insatisfatória e deve insistir nos padrões de prova que encontrar lá. A razão para este estado de coisas é o fato de, ao qual já me referi brevemente, que as ciências sociais, como grande parte da biologia, mas ao contrário de a maioria dos campos das ciências físicas, tem de lidar com estruturas de complexidade essencial, ou seja, com estruturas cujas propriedades característica só pode ser exibida por modelos constituídos de um número relativamente grande de variáveis. Competição, por exemplo, é um processo que irá produzir certos resultados só se procede entre um número bastante grande de pessoas agindo.

Em alguns campos, particularmente quando surgem problemas de tipo semelhante nas ciências físicas, as dificuldades podem ser superadas usando, em vez de informações específicas sobre os elementos individuais, dados sobre a freqüência relativa, ou a probabilidade, da ocorrência dos vários propriedades distintas dos elementos. Mas isso só é verdade que temos de lidar com o que tem sido chamado pelo Dr. Warren Weaver (anteriormente da Fundação Rockefeller), com uma distinção que deve ser muito mais amplamente compreendido, "fenômenos de complexidade desorganizada", em contraste com esses "fenômenos de complexidade organizada" com que temos de lidar nas Ciências  (2)Sociais.

Complexidade organizada aqui significa que o carácter das estruturas mostrando isso depende não só sobre as propriedades dos elementos individuais de que são compostos, e a frequência relativa com que eles ocorrem, mas também sobre a maneira pela qual os elementos individuais são ligados com entre si. Na explicação do funcionamento de tais estruturas, podemos por esta razão não substitui as informações sobre os elementos individuais de informação estatística, mas requerem informações completas sobre cada elemento de nossa teoria se estamos para derivar previsões específicas sobre eventos individuais. Sem tais informações específicas sobre os elementos individuais que devem ser confinados ao que em outra ocasião chamei meras previsões padrão - as previsões de alguns dos atributos gerais das estruturas que irão formar-se, mas não contendo instruções específicas sobre os elementos individuais dos quais as estruturas será composta.

Isto é particularmente verdade das nossas teorias contábeis para a determinação dos sistemas de preços relativos e salários que irão formar-se em um mercado que funcione bem. Na determinação desses preços e salários não entrarão os efeitos da informação em particular possuído por cada um dos participantes do processo de mercado - uma soma de factos que, em sua totalidade não pode ser conhecido para o observador científico, ou a qualquer outro cérebro único . Na verdade, é a fonte da superioridade da ordem de mercado, e a razão pela qual, quando não é suprimida pelos poderes do governo, ele desloca regularmente outros tipos de ordem, que na alocação resultante de mais recursos do conhecimento do especial fatos serão utilizados que só existe disperso entre as pessoas incontáveis, que qualquer pessoa pode possuir. Mas porque nós, os cientistas observam, portanto, nunca podemos conhecer todas as determinantes de tal ordem, e, em consequência, também não é possível saber em que a estrutura de preços e salários exigência particular que em todos os lugares igual oferta, também não pode medir os desvios dessa ordem; nem podemos estatisticamente testar nossa teoria de que é os desvios que o sistema de "equilíbrio" de preços e salários que tornam impossível para vender alguns dos produtos e serviços aos preços a que são oferecidas.

Antes de continuar com a minha preocupação imediata, os efeitos de tudo isso sobre as políticas de emprego a ser desenvolvidas, permitam-me definir mais especificamente as limitações inerentes de nosso conhecimento numérico que são muitas vezes negligenciados. Eu quero fazer isso para evitar dar a impressão de que eu geralmente rejeitam o método matemático em economia. Considero, de facto, como a grande vantagem da técnica matemática que nos permite descrever, por meio de equações algébricas, o carácter geral de um padrão, mesmo quando somos ignorantes dos valores numéricos que determinam a sua manifestação particular. Nós dificilmente poderia ter atingido esse quadro abrangente das interdependências mútuas dos diferentes eventos em um mercado sem esta técnica algébrica. Isso levou à ilusão, no entanto, que podemos usar essa técnica para a determinação e predição dos valores numéricos desses magnitudes; e isso levou a uma busca vã por constantes quantitativas ou numéricas. Isso aconteceu apesar do fato de que os fundadores modernos da economia matemática não tinha tais ilusões. É verdade que os seus sistemas de equações que descrevem o padrão de um equilíbrio de mercado são de molde que, se fôssemos capazes de preencher todos os espaços em branco com as fórmulas abstratas, ou seja, se soubéssemos todos os parâmetros destas equações, poderíamos calcular o preços e quantidades de todas as mercadorias e serviços vendidos. Mas, como Vilfredo Pareto, um dos fundadores dessa teoria, declarou claramente, sua finalidade não pode ser "para chegar a um cálculo numérico de preços", porque, como ele disse, seria "absurda" a assumir que poderíamos verificar toda a data(4). Na verdade, o ponto principal já foi visto por aquelas antecipações notáveis ​​da economia moderna, os escolásticos espanhóis do século 16, que enfatizaram que o que eles chamaram mathematicum pretium, o preço de matemática, dependia de tantas circunstâncias particulares que nunca poderia ser conhecido pelo homem, mas era conhecido apenas por Deus(5). Às vezes eu desejo que os nossos economistas matemáticos levaria isso a sério. Devo confessar que eu ainda duvido que sua busca por magnitudes mensuráveis ​​fez contribuições significativas para a nossa compreensão teórica dos fenômenos econômicos - como distinto do seu valor como uma descrição de situações particulares. Também não estou preparado para aceitar a desculpa de que este ramo da investigação é ainda muito jovem: Sir William Petty, fundador da econometria, era afinal um colega um pouco sênior de Sir Isaac Newton na Royal Society!

Pode haver alguns casos em que a superstição de que apenas magnitudes mensuráveis ​​pode ser importante tem feito mal positivo no campo econômico, mas os atuais problemas de inflação e de emprego são muito séria. Seu efeito foi que o que é, provavelmente, a verdadeira causa da extensa desemprego foi desconsiderado pela maioria scientistically mente de economistas, porque sua operação não pôde ser confirmada por relações diretamente observáveis ​​entre magnitudes mensuráveis, e que uma concentração quase exclusiva na superfície quantitativamente mensuráveis fenômenos produziu uma política que tornou as coisas piores.

Tem, naturalmente, para ser prontamente admitiu que o tipo de teoria que considero a verdadeira explicação do desemprego é uma teoria de conteúdo um pouco limitado, porque nos permite fazer previsões, apenas muito gerais sobre o tipo de eventos que temos de esperar para uma dada situação. Mas os efeitos sobre a política das construções mais ambiciosas não ter sido muito feliz e confesso que prefiro o conhecimento verdadeiro, mas imperfeita, mesmo se ele deixa muito indeterminada e imprevisível, a uma pretensão de conhecimento exato em que é provável que seja falsa. O crédito que o aparente conformidade com os padrões científicos reconhecidos pode ganhar por teorias aparentemente simples, mas pode falsas, como o presente exemplo mostra, ter graves consequências.

Na verdade, no caso discutido, as próprias medidas que a teoria dominante "macroeconômica" tem recomendado como um remédio para o desemprego - nomeadamente, o aumento da demanda agregada - tornaram-se uma causa de uma extensa má alocação de recursos, que é susceptível de fazer mais tarde, o desemprego em grande escala inevitável. A injeção contínua de quantidades adicionais de dinheiro em pontos do sistema econômico onde ele cria uma demanda temporária, que deve cessar quando o aumento da quantidade de dinheiro pára ou diminui, juntamente com a expectativa de um aumento contínuo dos preços, chama de trabalho e outros recursos em empregos que pode durar somente enquanto o aumento da quantidade de dinheiro continua com a mesma taxa - ou talvez mesmo apenas enquanto que continua a acelerar a uma determinada taxa. O que esta política tem produzido não é tanto um nível de emprego que não poderia ter sido provocada por outras vias, como a distribuição de emprego que não pode ser mantido indefinidamente e que depois de algum tempo só pode ser mantida por uma taxa de inflação que levar rapidamente a uma desorganização de toda a atividade econômica. O fato é que por uma visão teórica equivocada fomos levados em uma posição precária em que não podemos evitar o desemprego substancial de reaparecer; não porque, como este ponto de vista é por vezes mal representado, este desemprego é intencionalmente provocada como um meio para combater a inflação, mas porque agora é obrigado a ocorrer como conseqüência profundamente lamentável, mas inevitável das políticas erradas do passado, assim que a inflação cessa acelerar.

Devo, no entanto, agora deixar esses problemas de importância prática imediata, que eu introduzidas principalmente como uma ilustração das consequências importantes que podem decorrer de erros relativos a problemas abstratos da filosofia da ciência. Há tanta razão para estar apreensivo sobre os perigos de longo prazo criados em um campo muito mais amplo pela aceitação acrítica das afirmações que têm a aparência de ser científica, pois é com relação aos problemas que acabei de discutir. O que eu queria, principalmente, para trazer para fora pela ilustração tópica é que certamente na minha área, mas eu também acredito que, em geral, as ciências do homem, o que parece superficialmente como o procedimento mais científica é muitas vezes o mais não-científico, e, além disso, que, em estes campos há limites definidos para o que podemos esperar da ciência para alcançar. Isto significa que para confiar a ciência - ou para deliberar controle de acordo com princípios científicos - mais do que o método científico pode alcançar pode ter efeitos deploráveis. O progresso das ciências naturais nos tempos modernos tem, naturalmente, muito superou todas as expectativas que qualquer sugestão de que possa haver alguns limites para ele é obrigado a levantar suspeitas. Especialmente todos aqueles vai resistir tal uma visão que têm a esperança de que o nosso poder crescente de previsão e controle, geralmente considerado como o resultado característico de avanço científico, aplicada aos processos da sociedade, logo nos permitirá moldar a sociedade inteiramente do nosso agrado. É verdade que, em contraste com a alegria que as descobertas das ciências físicas tendem a produzir, os insights que ganhar com o estudo da sociedade mais vezes ter um efeito moderador sobre as nossas aspirações; e talvez não seja surpreendente que os membros mais impetuosos mais jovens da nossa profissão nem sempre estão preparados para aceitar isso. No entanto, a confiança no poder ilimitado da ciência é apenas muito frequentemente baseada em uma falsa crença de que o método científico consiste na aplicação de uma técnica de ready-made, ou em imitar a forma, em vez de a substância do procedimento científico, como se necessário só para seguir algumas receitas de culinária para resolver todos os problemas sociais. Às vezes, parece quase como se as técnicas da ciência eram mais facilmente do que aprenderam a pensar que nos mostra quais são os problemas e como abordá-los.

O conflito entre o que no seu atual estado de espírito do público espera que a ciência para atingir na satisfação das esperanças populares e o que está realmente em seu poder é um assunto sério, porque, mesmo que os verdadeiros cientistas devem todos reconhecer as limitações do que eles podem fazer no campo dos assuntos humanos, contanto que o público espera mais, sempre haverá alguns que vão fingir, e talvez sinceramente acredito, que eles podem fazer mais para atender às demandas populares do que é realmente em seu poder. Muitas vezes é difícil o suficiente para o perito, e, certamente, em muitos casos, impossível para o leigo, para distinguir entre as reivindicações legítimas e ilegítimas avançados em nome da ciência. A enorme publicidade dada recentemente pela mídia para um relatório pronunciando em nome da ciência em Os Limites do Crescimento, e o silêncio da mesma mídia sobre a crítica devastadora este relatório recebeu dos peritos competentes, (6) deve fazer uma sensação um pouco apreensivo sobre o uso a que o prestígio da ciência pode ser colocado. Mas não é de forma única no campo da economia que as alegações de longo alcance são feitas em nome de uma direção mais científica de todas as atividades humanas e o desejo de substituir processos espontâneos por "controle humano consciente." Se não me engano, psicologia, psiquiatria, e alguns ramos da sociologia, para não falar sobre o chamado filosofia da história, são ainda mais afetados por aquilo que chamei o preconceito cientificista, e por alegações falsas de que a ciência pode alcançar 0,7

Se quisermos salvaguardar a reputação da ciência, e para impedir a usurpação de conhecimento com base em uma semelhança superficial de procedimento com a das ciências físicas, muito esforço terá que ser dirigida para desbancar essas arrogations, alguns dos quais já se tornaram os interesses de departamentos universitários estabelecidos. Nós não podemos ser gratos o suficiente para esses filósofos modernos da ciência como Sir Karl Popper por nos dar um teste pelo qual podemos distinguir entre o que podemos aceitar como científico e o que não - um teste que estou certo que algumas doutrinas agora amplamente aceito como científico faria não passe. Existem alguns problemas especiais, no entanto, em conexão com esses fenômenos essencialmente complexas das quais estruturas sociais são tão importantes uma instância, que me fazem querer reafirmar, em conclusão em termos mais gerais, as razões por que nesses campos não estão lá apenas únicos obstáculos absolutos para a predição de eventos específicos, mas por que agir como se possuíssemos conhecimento científico que nos permite transcender-los pode-se tornar-se um sério obstáculo ao avanço do intelecto humano.

O ponto principal que devemos lembrar é que o grande e rápido avanço das ciências físicas teve lugar em campos onde ele provou que a explicação e previsão poderia ser baseado em leis que representaram os fenômenos observados como funções de relativamente poucas variáveis ​​- ou fatos particulares ou frequências relativas dos eventos. Isso pode até mesmo ser a razão fundamental pela qual destacamos estes reinos como "físico" em contraste com aquelas estruturas mais altamente organizada que tenho aqui chamados de fenômenos essencialmente complexas. Não há nenhuma razão para que a posição deve ser o mesmo no último como nos antigos campos. As dificuldades que encontramos no último não são, como se pôde no primeiro suspeito, dificuldades cerca de formular teorias para a explicação dos eventos observados - embora eles também causam dificuldades especiais sobre testar explicações propostas e, portanto, sobre a eliminação de teorias ruins. Eles são devido ao principal problema que surge quando aplicamos nossas teorias a qualquer situação particular no mundo real.

"Se quisermos salvaguardar a reputação da ciência ... muito esforço terá que ser dirigida para desbancar essas arrogations, alguns dos quais já se tornaram os interesses de departamentos universitários estabelecidas."
A teoria do fenômeno essencialmente complexo deve se referir a um grande número de fatos particulares; e derivar uma previsão a partir dele, ou para testá-lo, temos que verificar todos estes fatos particulares. Uma vez que conseguimos este não deve haver nenhuma dificuldade particular sobre a derivação predições testáveis ​​- com a ajuda de computadores modernos, deve ser fácil o suficiente para inserir esses dados nos espaços adequados das fórmulas teóricas e derivar uma previsão. A dificuldade real, para a solução do qual a ciência tem pouco a contribuir, e que às vezes é realmente insolúvel, consiste na apuração dos fatos particulares.

Um exemplo simples irá mostrar a natureza dessa dificuldade. Considere algumas jogo de bola jogado por algumas pessoas de aproximadamente a mesma habilidade. Se soubéssemos alguns fatos particulares, além de nosso conhecimento geral sobre a capacidade dos jogadores individuais, tais como o seu estado de atenção, suas percepções e o estado de seus corações, pulmões, músculos, etc., em cada momento do jogo, nós provavelmente poderia prever o resultado. Na verdade, se nós familiarizados tanto com o jogo e as equipes que provavelmente deve ter uma ideia bastante perspicaz sobre o que o resultado vai depender. Mas é claro que não será capaz de verificar esses fatos e em consequência o resultado do jogo será fora da faixa da cientificamente previsível, ainda que bem podemos saber quais os efeitos que determinados eventos teria sobre o resultado do jogo. Isso não significa que não podemos fazer previsões em tudo sobre o curso de um jogo destes. Se nós sabemos as regras dos diferentes jogos que deve, em assistir a um, muito em breve sei que jogo está sendo jogado e que tipos de ações que podem esperar e que tipo não. Mas nossa capacidade de prever serão confinados a tais características gerais dos eventos que se espera e não incluem a capacidade de prever determinados acontecimentos individuais.

Isso corresponde ao que eu tenho chamado mais cedo as meras previsões padrão a que estamos cada vez mais confinados à medida que penetram do reino em que prevalecem as leis relativamente simples para a gama de fenômenos onde organizados regras de complexidade. À medida que avançamos, nós encontramos mais e mais freqüentemente que podemos de fato determinar apenas algumas, mas não todas as circunstâncias específicas que determinam o resultado de um determinado processo; e em consequência disso, são capazes de prever apenas algumas, mas não todas as propriedades do resultado temos de esperar. Muitas vezes, tudo o que deve ser capaz de prever será alguma característica abstrata do padrão que irá aparecer - às relações entre os tipos de elementos sobre os quais individualmente sabemos muito pouco. No entanto, como eu estou ansioso para repetir, vamos ainda conseguir previsões que podem ser falsificados e que, portanto, são de significância empírica.

É claro que, em comparação com as previsões precisas que aprendemos a esperar nas ciências físicas, este tipo de meras previsões padrão é um segundo melhor com o qual a pessoa não gostaria de ter de se contentar. No entanto, o perigo de que eu quero avisar é precisamente a crença de que, a fim de ter uma reivindicação para ser aceito como científico é necessário para conseguir mais. Desta forma, encontra-se charlatanismo e pior. Para atuar na crença de que possuímos o conhecimento e o poder que nos permite moldar os processos de sociedade inteiramente ao nosso gosto, o conhecimento que de fato não possuímos, é susceptível de tornar-nos fazer muito mal. Nas ciências físicas pode haver pouca objeção a tentar fazer o impossível; pode-se mesmo sentir que um não deveria desencorajar o excesso de confiança, porque as suas experiências podem afinal produzir alguns novos insights. Mas no campo social, a crença errônea de que o exercício de algum poder teria consequências benéficas é susceptível de conduzir a um novo poder para coagir outros homens sendo conferido alguma autoridade. Mesmo que tal poder não é, em si, mau, seu exercício é susceptível de entravar o funcionamento dessas forças espontânea-ordenação por que, sem compreendê-los, o homem é de fato tão amplamente assistido na busca de seus objetivos. Estamos apenas começando a entender sobre a forma subtil de um sistema de comunicação o funcionamento de uma sociedade industrial avançada é baseado - um sistema de comunicação que chamamos de mercado e que acaba por ser um mecanismo mais eficiente para digerir a informação dispersa do que qualquer que o homem tem deliberadamente projetados.

Se o homem não é de fazer mais mal do que bem em seus esforços para melhorar a ordem social, ele terá que aprender que neste, como em todos os outros campos onde a complexidade essencial de um organizadas tipo prevalece, ele não pode adquirir o conhecimento completo que faria fazer o domínio dos eventos possíveis. Ele irá, portanto, tem que usar o conhecimento que ele pode alcançar, não para moldar os resultados como o artesão molda sua obra, mas sim cultivar um crescimento por propiciar o ambiente adequado, da forma em que o jardineiro faz isso para suas plantas. Há perigo no sentimento exuberante de poder cada vez maior que o avanço das ciências físicas engendrou e que tenta o homem para tentar, "tonto com sucesso", para usar uma expressão característica do comunismo cedo, a submeter não só a nossa natural, mas também o nosso ambiente humano para o controlo de uma vontade humana. O reconhecimento dos limites intransponíveis ao seu conhecimento deveria de fato para ensinar o aluno da sociedade uma lição de humildade que deve protegê-lo contra a tornar-se cúmplice de luta fatal dos homens para controlar a sociedade - um esforço para alcançar o que faz dele não só um tirano sobre os seus semelhantes, mas que pode muito bem fazê-lo o destruidor de uma civilização que nenhum cérebro projetou, mas que tem crescido a partir dos esforços livres milhões de indivíduos.

Copyright © A Fundação Nobel 1974. Reproduzido com permissão.


1. "cientificismo eo Estudo da Sociedade", Economica, vol. IX, sem. 35, agosto de 1942, reimpresso em A Contra-Revolução de Ciência, Glencoe, Ill., 1952, p. 15 desta reedição.
2. Warren Weaver, "um quarto de século nas Ciências Naturais," O Relatório Anual da Fundação Rockefeller 1958, capítulo I, "Ciência e Complexidade".
4. V. Pareto, Manuel d'économie politique, 2. ed., Paris 1927, pp. 223-4.
5. Ver, por exemplo, Luis Molina, De iustitia et iure, Cologne 1596-1600, tom. II, disp. 347, não. 3, e, particularmente, Johannes de Lugo, Disputationum de iustitia et iure tomus secundus, Lyon 1642, disp. 26, seita. 4, não. 40.
6. Veja Os Limites do Crescimento: Um relatório do Clube de Roma Projeto de no Predicament da Humanidade, New York, 1972; para uma análise sistemática desta por um economista competente, cf. Wilfred Beckerman, Em Defesa do Crescimento Econômico, Londres 1974, e, para uma lista de críticas anteriores de peritos, Gottfried Haberler, crescimento econômico e estabilidade, Los Angeles 1974, que chama justamente seu efeito "devastador".
7. Eu dei alguns exemplos destas tendências em outros campos na minha aula inaugural como professor visitante na Universidade de Salzburg, Die Irrtümer des Konstruktivismus und die Grundlagen legitimer Kritik gesellschaftlicher Gebilde, Munique 1970, agora relançado para o Instituto Walter Eucken, em Freiburg i.Brg. por J.C.B. Mohr, Tübingen 1975.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ops !!! Faça login em sua conta Google. Lembre-se: os comentários são moderados e, se forem ofensivo à honra, à imagem e a dignidade de quaisquer pessoa, serão excluídos definitivamente. Para contestar exclusão, envie direito de réplica para e-mail moderador: n b n u n e s @ y a h o o . c o m . b r